Cary Grant: O estilo elegante atemporal de Hollywood

Cary Grant Estilo

Archibald Alexander Leach nasceu em Bristol (Inglaterra) no dia 18 de janeiro de 1904. A história que veremos neste post começou a ser escrita quando ele completou 27 anos. Foi quando ele rumou para os Estados Unidos, mudou seu nome para Cary Grant e se tornou uma das maiores estrelas de Hollywood de todos os tempos. O ator, que faleceu no dia 29 de novembro de 1986, não é apenas uma lenda do cinema: ele é também um ícone de estilo.

Uma rápida biografia de Cary Grant

Dono de um carisma incomparável, Grant destacou-se por quase quatro décadas como protagonista de comédias, filmes de aventura e de romance. Encarnou perfeitamente o “homem comum”, graças a seu jeito meio aparvalhado que lhe permitiu viver com perfeição papeis de homens ordinários envolvidos em situações extraordinárias, como aqueles que interpretou em Levada da Breca. Por outro lado, seu sorriso cínico e olhar malicioso fizeram do ator a escolha ideal também para interpretar personagens ambíguos, que podem sempre estar ocultando algum segredo, como o ex-criminoso de Ladrão de Casaca.

Sua carreira de ator começou ainda criança, aos seis anos de idade, quando entrou para uma trupe de teatro itinerante em turnê pela Alemanha. Ao fim da temporada, Grant voltou a Inglaterra e aos estudos, mas abandonou a escola aos treze anos de idade, forjando a assinatura do pai para conseguir entrar para a trupe do comediante Bob Pender. Por dois anos, apresentou-se por toda a Inglaterra até que, em julho de 1920, aos dezesseis anos, foi uma das oito pessoas escolhidas para uma bem-sucedida turnê de dois anos pelos Estados Unidos. O estilo de vida americano fascinou o jovem Cary Grant (ainda Archibald), que resolveu não retornar à Inglaterra ao fim turnê.

A carreira de Cary Grant em Hollywood

Mas a vida nos Estados Unidos não foi mil maravilhas logo de cara. Ele trabalhou como lanterninha de cinema, vendeu gravatas e fez espetáculos mambembes de variedades, enquanto continuava aperfeiçoando seu talento para a comédia física, para malabarismos e equilibrismo.

Ao se mudar para Hollywood, sua aparência chamou a atenção de Ben Schulberg, da Paramount. Seu nome de batismo, porém, era um obstáculo: era urgente mudá-lo e foi assim que nasceu Cary Grant. Foi ele mesmo que propôs o nome “Cary”, e a Paramount sugeriu então uma lista de sobrenomes. “Grant” foi o escolhido porque as iniciais C.G. pareciam ter trazido sorte para as estrelas Gary Cooper e Clark Gable.

A princípio, continuou atuando em pequenos papeis no teatro e no cinema até 1932, quando o diretor Josef von Stenberg lhe deu sua primeira grande oportunidade ao chamá-lo para contracenar com Marlene Dietrich em A Vênus Loira. Ao longo dos anos seguintes, atuou em cerca de vinte filmes, até alcançar o estrelato fazendo par romântico com Mae West em Uma Loira Para Três e Santa Não Sou, ambos de 1933. Este último, salvou a Paramount da falência.

Em 1936, veio a mudança para o estúdio Columbia Pictures. O talento para a comédia adquirido durante as performances com a trupe durante sua juventude lhe renderam o papel principal em algumas comédias, mas foi apenas em 1937, com o grande sucesso de A Dupla do Outro Mundo e Cupido É Moleque Teimoso, que Cary Grant se tornou verdadeiramente uma superestrela. Grant forjou em Cupido É Moleque Teimoso sua persona cinematográfica definitiva, do homem elegante e algo atrapalhado, charmoso e malicioso, mas também delicado e gentil.

A partir dali, esse seu perfil seria explorado incontáveis vezes, transformando-o no maior galã de comédias românticas que Hollywood já teve. A lista de filmes foi só aumentando, ao lado de estrelas como Katharine Hepburn, Rita Hayworth e Ingrid Bergman. Participou como ator de quase oitenta filmes e protagonizou alguns dos maiores sucessos de bilheteria das décadas de 1930, 1940, 1950 e 1960.

Ao longo dessas décadas, manteve-se no posto de um dos mais bem-sucedidos e requisitados protagonistas de Hollywood, estrelando uma quantidade impressionante de clássicos do cinema principalmente comédias, mas também grandes aventuras, dramas e filmes de suspense. Cary Grant encerrou sua carreira cinematográfica em 1966, após atuar em Devagar, Não Corra: àquela altura, considerava-se velho demais para viver protagonistas e alegava que seus fãs não o aceitariam em papeis secundários.

Ator favorito de muitos dos diretores com quem trabalhou, Cary Grant estabeleceu duradouras parcerias com alguns dos maiores cineastas da história do cinema. Juntamente com James Stewart, Cary Grant foi também o maior protagonista de filmes de Alfred Hitchcock. Estrelou quatro filmes do mestre do suspense: Suspeita, Interlúdio, Ladrão de Casaca e Intriga Internacional. E, embora Hitchcock considerasse Stewart seu ator favorito, o diretor teria declarado certa vez que Cary Grant foi o único ator que eu já amei, em toda a minha vida”. Curiosamente, Grant e Stewart jamais contracenaram sob a batuta do cineasta inglês, mas se encontraram nas telas em 1940, quando eram ambos ídolos da juventude, em Núpcias de Escândalo.

Lembrado até hoje por estar sempre impecavelmente vestido e penteado, Grant encarnou o mais perfeito boa praça do cinema norte-americano. Era aquela pessoa que todos queriam ter por perto, como amigo ou amante. Sua elegância e charme, inclusive, serviram de “modelo” para o escritor inglês Ian Fleming criar o agente secreto James Bond, que teria sido delineado pelo autor com o astro em mente. Quando as histórias de Bond finalmente chegaram ao cinema, em 1962, Grant chegou a ser convidado para protagonizar O Satânico Dr. No, mas recusou, acreditando-se já velho demais para começar uma série.

Assim como outros artistas geniais que vieram da classe operária britânica, ele encontrou em Hollywood uma oportunidade de se reinventar. Um detalhe muito interessante na biografia do ator, explicado em detalhes no livro Cary Grant: The Making of a Star, é como enquanto ele aperfeiçoava suas habilidades, percebeu que para ser em um galã dos cinemas ele teria que aprender como agir e se vestir como um

A construção do estilo de Cary Grant

 “You’ve got to learn to like yourself a little more.”

Muitos tem dificuldade em entender como o ator saiu de uma pequena cidade na inglaterra e se transformou em um galã com estilo impecável. Durante toda sua carreira, Cary Grant sempre foi visto como um dos homens mais elegantes do mundo.

O livro “The Making of a Star” relata ca decisão consciente de sempre transmitir confiança, mesmo com todos seus conflitos pessoais internos. O documentário Becoming Cary Grant, relata que a imagem do ator é genuína, mas foi construída com muita inteligência e esforço ao longo de uma carreira premiada.

Como ele fez isso? Pensamos em algumas dicas que você pode aproveitar na construção do seu estilo próprio!

Estude boas referências para desenvolver o seu estilo próprio

Olha que interessante: Cary Grant chegou nos Estados Unidos em 1920, no mesmo navio que Douglas Fairbanks Sr, outro ícone de elegância. Os dois não viajaram na mesma classe, mas foi possível observar a elegância clássica e atemporal da estrela de Hollywood, e isso teve um impacto enorme na imagem de Cary Grant. Anos depois, em uma entrevista com Ralph Lauren, ele foi capaz de descrever as roupas e acessórios que Fairbanks vestia, incluindo detalhes como escolhas de tecidos, largura das lapelas e botões.

O ator passou horas e horas pesquisando sobre alfaiataria e observando pessoas que admirava. De acordo com o próprio ator, um dos momentos cruciais para ele foi ter trabalhado com o diretor Leo McCarey, em The Awful Truth, um profissional com um nível de sofisticação que ele nunca havia visto.

Grant estudou muito sobre o assunto, e acabou desenvolvendo uma estética discreta e monocromática com foco nas proporções. As linhas de seus ternos, camisas e sapatos estavam sempre em perfeita harmonia para chamar atenção para a sua maior força: um rosto de estrela de Hollywood.

Use as roupas a seu favor

Primeiro, ele aprendeu como usar as roupas a seu favor. Veja só:

  • As golas das camisas que Grant usava eram mais largas para disfarçar o seu pescoço largo, algo que o incomodava muito.
  • Os seus ternos e casacos, tinham ombreiras largas para equilibrar com a cabeça, que ele achava grande demais.
  • As cavas das mangas eram cortadas bem altas e rentes a axila, para alongar a sua silhueta e permitir maior amplitude de movimento, deixando ele mais alto e esguio nas telas.

Ao examinar os seus pontos fortes e fracos, Cary Grant foi capaz de construir a versão de si que o deixava mais confortável. Ele se transformou em um dos maiores ícones de estilos do mundo, em uma era antes dos “personal stylists” existirem.

Archibald Leach se transformou na imagem de Cary Grant, que ele criou para si. Mais importante do que estar na moda, era ter uma identidade sob medida que expressasse a sua melhor versão. Você pode fazer o mesmo, entendendo quem é, refletindo sobre a imagem que gostaria de passar, e observando os detalhes!

Gostou? Não esqueça de curtir e compartilhar. Busque alguns filmes do ator para assistir, não vai se arrepender

2 comentários em “Cary Grant: O estilo elegante atemporal de Hollywood”

  1. Cara, curti tanto seu blog que o inclui na categoria de links do meu blog. E olha que sou muito seletivo. Parabéns, mesmo. Muito bom!É bom encontrar sites brasileiros sobre estilo. Coisa raríssima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.