0
Destinos

Road Trip Estados Unidos – Pacific Coast Highway e Rota 66

Hackberry General Store

No meio de fevereiro do ano passado eu dirigi de São Francisco até o Novo México. Desci a Pacific Coast Highway, passei por Los Angeles, virei rumo ao Arizona pela antiga Rota 66 até o Novo México.

Tanto a PCF quanto a antiga Rota 66 são estradas antigas. O Google Maps vai te falar que são o caminho mais lento. Não se preocupe. Na vida real os melhores caminhos raramente são pelo percurso mais curto.

Fui parando em vários lugares, alguns planejados, outros não, ao longo dos 2.000 quilômetros com vista para oceano, floresta, montanha, cânion e deserto.

Praia em Sao Francisco

A viagem começa em São Francisco. De lá, desci a PCH parando em Carmel e Santa Barbara. Em Los Angeles descansei e fui ao Inspiration LA. Passei a noite em Joshua Tree antes de pegar a Rota 66 até o Arizona. Parei em algumas cidades peculiarmente americanas até chegar nas montanhas vermelhas de Sedona. Um lugar magnético, cheio de energia concentrada. Recarregado, parti para o Novo México através de um deserto marciano que vai parar em Santa Fé.

Eu não cheguei a dormir ao ar livre, mas vi onde o desenvolvimento humano não chegou. Também vi uns outros lugares onde o progresso parece que chegou e resolveu ir embora. Durante quinze dias deixei algumas pegadas naqueles trechos escondidos dos mapas. São os melhores, os que parecem recém descobertos. Sensação de explorador do grande mundo intocado!

painted desert

Mas não é tão fácil assim encontrar paradas interessantes nas estradas dos Estados Unidos. Depois que inauguraram o “Interstate Highway System” na década de 60. Essas enormes artérias cortando o país secaram as pequenas estradas. Mataram cidades simplesmente por que estavam fora da rota entre os grandes centros. Nas enormes highways você só encontra outdoors gigantes, mini shoppings, e restaurantes fast food.

Felizmente a magia ainda está viva nas rotas antigas, que seguem paralelas, algumas até largadas. Elas continuam sendo o melhor caminho para se surpreender com um bom café, com uma refeição inusitada, visitar lojas que fogem do comum e topar com pessoas diferentes; além de paisagens maravilhosas e a arquitetura icônica, colorida, decadente.

Roys Coffee Highway 66

Foi a primeira vez que rodei tantos quilômetros de carro. No caminho fiquei pensando sobre a diferença entre viajar de avião e viajar de carro. Primeiro, é que a viagem de avião vai de A para B. Dois pontos separados por um espaço vazio. A viagem de carro permite roteiros com descobertas a cada pequeno trecho entre o início e o fim. Além disso, num mundo carregado de informações, dirigir é um dos poucos momentos quando conseguimos concentrar em uma única tarefa, abrindo espaço para reflexões. É em todos os sentidos, uma viajem para dentro de si mesmo.

Mas será que as viagens de carro vão continuar assim? Não é loucura eu achar que um carro automatizado vai dar preferência para anunciantes. Que vai nos aconselhar a fazer uma compra por drone ao invés de passar a rota até a loja. Não estamos longe de um futuro onde nossa função pode ser ajustar o ar condicionado enquanto conferimos o feed das redes sociais.

Pacific Coast Highway

As Highways acabaram com as estradas menores. O avião, A até B, criou as “flyover cities“, as cidades que você só sobrevoa. Se a história se repetir, o algoritmo pode esconder ainda mais o que existe entre esses “pontos perfeitos”. Sem o acaso, lugares sem estratégias de marketing digital vão atrofiar. Parar no meio do nada e inesperadamente comer a melhor refeição da sua vida não acontece quando trabalhamos com o número de avaliações.

Uma Road Trip soa cansativa e as horas dentro do carro parecerem sem sentido, mas expandem nossa compreensão do contexto de um país, de uma cultura e do mundo. Sem falar nas experiências inesperadas nos lugares aparentemente vazios. Pegue um mapa, marque um ponto final, e prepare-se para uma imensidão de possibilidades e abra o seu olhar para entender onde realmente quer ir.

O relógio está correndo, as horas estão passando. O passado aumenta, o futuro fica menor. Possibilidades diminuem, arrependimentos aumentam. Caia na estrada, descubra o novo, desconecte-se e conecte-se com o acaso. Faça isso antes de que um algoritmo faça todas essas conexões por você. Boa viagem!

Moinhos na estrada para Joshua Tree

A Rota

São Francisco

Golden Gate Bridge

Minha rota começa em São Francisco.

São Francisco só tem um problema. É difícil de ir embora.

Não fiquei muito tempo. Descer a PCH não fazia parte dos meus planos originais. Nesse outro post sobre o que fazer em um dia em São Francisco eu conto mais detalhes.

Comecei em SF para ver velhos amigos da natação. Não via o pessoal desde 2008.

É engraçado ter amigos que não vejo. Eles ficam jovens para sempre. Enquanto isso eu envelheço todo ano, todo mês, todo dia. Quando eu encontrei com eles em São Francisco pude sentir cada hora que envelheci!

Onde Ficar?

Vou ficar devendo. Sempre que visito São Francisco fico na casa de amigos. Se você já esteve em SF, procure um hotel ou Airbnb no bairro The Mission. É um bairro cool com muita coisa para fazer. Se nunca foi, procure ficar na região da Union Square ou Fisherman´s Wharf para estar mais próximo dos pontos turísticos.

Onde Comer?

Café Four Barrels

  • Café no Four Barrels. Eles torram e servem excelentes cafés. Ambiente rústico com cabeças de javali na parede. Espaço confortável e caloroso, com bom atendimento. Me senti no epicentro hipster.
  • Almoço/Jantar/Cervejas no Monk’s Kettle. Mais de 200 variedades de cerveja, sendo a maioria artesanal. É um gastropub que só usa ingredientes locais e orgânicos, desde a carne ao queijo. Eu recomendo o Monk’s Burguer e o aperitivo Monk’s poutine, uma mistura de batata frita, ricota temperada, pernil de porco, e molho de gravy. Esse aperitivo pesou a pança!
  • Aperitivos/Drinks/Cervejas no %ABV e The Crafty Fox Ale House. %ABV é um bar com um excelente cardápio de drinks e finger foods deliciosas. Vai nos mini pulled pork sandwiches e nos fish tacos. O The Crafty Fox Ale House é um pub com pegada irlandesa. Sem complicações… apenas cervejas locais. São mais ou menos 40 opções de taps, como a Almanac, Fieldwork e Lagunitas, todas da região. Foi aqui que tomei umas com o John, companheiro de equipe da época do Nova Aquatics. Foi um oi, e um tchau, porque fui embora na manhã seguinte.

O Que Fazer?

Painted Ladies São Francisco

  • Caminhar do Mission até as Painted Ladies para ver a cidade do alto. As painted ladies são lindas casas no estilo vitoriano, cenário de muitos filmes e seriados. Ficam em um parque calmo e lindo, com a vista de São Francisco no fundo.
  • Caminhar pelo Golden Gate Park. Prepare as pernas. O Museu Young tem um bom café para seu break. Esvazie a cabeça e caminhe pela natureza!
  • Fazer uma trilha da Baker Beach até a Golden Gate, passeando pela região do antigo Presídio. Comece pela praia e siga pelo parque para ter uma vista incrível da costa de São Francisco e um visual maravilhoso da Golden Gate Bridge. Se você tiver mais tempo do que eu, atravesse a ponte de bicicleta vá até Sausalito.

Onde Comprar?

union made goods sao francisco

  • Unionmade Goods. Uma das melhores lojas independentes do país, com muitas marcas boas na pegada de workwear moderno dos EUA, Europa e Japão.
  • Taylor Stitch. Uma marca que trabalha muito com crowdfunding e é a cara da Califórnia, da praia ao deserto.
  • Self Edge é para você que gosta de jeans e das melhores marcas retrô do Japão.
  • Wingtip para algo mais sofisticado. Ternos sob medida, sapatos clássicos e drinks.

Carmel

Acordei cedo. Minha anfitriã foi muito educada. Não sei se teria conseguido acordar para me levar até a porta.

Fui até o aeroporto pegar o carro. Eles tentaram empurrar um carro mais potente. O que escolhi não daria conta da viagem. Bobagem. A estrada é calma.

De São Francisco é um pulo até Carmel. Ou melhor, Carmel By The Lake. Nome de conto de fadas porque é mesmo um conto de fadas.

Carmel é um pequeno amável rio. Não é muito longo, mas em seu percurso tem tudo que um rio deve ter. Desce por um instante, corre por águas rasas, crepita por entre rochas, vaga lentamente por debaixo de sicomoros, derrama em piscinas onde vivem trutas. Foi mais ou menos assim que John Steinbeck  descreveu a cidade.

Onde Comer

  • Na estrada. Preste atenção na estrada enquanto dirige de São Francisco para Carmel. Olhos abertos e nariz atento. Eu avistei um trailer hippie todo colorido na beira da estrada e comi um excelente breakfast burrito.
  • The Tuck Box. Estava de barriga cheia mas quando vi essa casinha eu tive que comer um segundo café da manhã. Parece uma casa de Hobbit. Comi um “Eggs Benedict” com bacon, chedar e waffle.

O Que Fazer

  • Fiquei algumas horas. Fui correndo para a Carmel Beach. Me senti um gringo turista, agasalhado. Corri para água para dar um pulo. Acordei.
  • Ande pela cidade. Muitas lojinhas e galerias.
  • O único ponto turístico que visitei foi a Missão San Carlos Borromeo del Rio Carmel. Faz parte da história da Califórnia e das pessoas desta região, quando os espanhóis estiveram lá. As missões são igrejas construídas à época da colonização espanhola. Sentei em um banco na varanda até o último minuto possível.
  • Point Lobos é um Parque Estadual da Califórnia. É um santuário da fauna e flora selvagem com trilhas de caminhada, penhascos costeiros e praias isoladas.

Pacific Coast Highway

Sai de Carmel e comecei a viagem pela Pacific Coast Highway, ou PCH, ou Highway 1. É uma estrada costeira, famosa por cortar deslumbrantes paisagens praianas em sua extensão.

Foi a rota de Jack Koureak se exilou e a inspiração de quase todas as músicas dos Beach Boys. É difícil listar o que fazer. On the road, é o espírito.

brixby bridge

Onde Ficar

Decidir onde parar na PCH é importante. Você pode fazer em um dia, com pressa.

Dormi em Santa Barbara em um albergue. IHSP Santa Barbara. Honesto e energia boa. Café da manhã comunitário na varanda.

Se você for fazer a rota em mais de dois dias pode parar em San Jose, Monterey, Santa Cruz, San Luis Obispo ou várias outras cidades.

O Que Fazer

No meio do caminho entre Carmel e Santa Barbara fica Big Sur. Big Sur é maravilhoso. Muitas praias e paisagens para você escolher. Eu parei em Pfeiffer Beach, e McWay Falls.

Big Sur abriga uma comunidade meio hippie nas montanhas. Esqueci o nome do lugar, mas comi um taco de peixe delicioso!

Pra chegar lá você tem que passar pela Brixby Bridge, uma das pontes de concreto mais altas do mundo (e uma das mais fotografadas).

Joshua Tree

A maior parte do meu tempo em Los Angeles girou em torno do evento Inspiration LA. Programei tudo para participar dos dois dias de feira. Já falei bastante do assunto então vou pular para Joshua Tree.

Antes, a estrada. Em Los Angeles a praia virou concreto e no caminho para Joshua Tree o concreto vira pedra e areia. Incrível a transformação das montanhas gentis da costa californiana em formações rochosas agressivas e clima Mad Max.

Joshua Tree fica a três horas da cidade dos anjos. É uma cidade com espírito bem artístico, reduto de pessoas que mudaram de carreira ou em busca de calma. Todo mundo que conversou comigo trabalhava em banco e resolveu encontrar a essência do espírito.

Onde Ficar

High Desert Motel Joshua Tree National Park. Típico motel beira de estrada estilo No Country For Old Man. Preço bom e localização excelente, perto da cidade e perto do parque nacional. Outra opção é acampar em uma das áreas reservadas.

Onde Comer

  • A entrada na cidade é através da Twentynine Palms Highway, uma estradinha antiga cheia de lojas, galerias de arte, cafeterias e restaurantes no estilo saloon velho oeste. Entre eles, o Joshua Tree Saloon é o estabelecimento mais icônico e uma boa parada para uma costela barbecue e algumas cervejas locais.
  • Mais a noite, não deixe de conferir o Pappy & Harriet´s. É uma espécie de bar/pub com shows, todo decorado com coisas antigas. Fica um pouco afastado, em uma comunidade construída em 1940 para servir de set de filmagem

O Que Fazer

  • Perambular pelo parque nacional Joshua Tree. É um deserto selvagem que se expande por 800.000 acres. Me lembrou que sou apenas um grão de areia.
  • Pertinho da cidade fica o Noah Purifoy´s Outdoor Desert Art Museum. É um mexidão de objetos garimpados e esculturas com sucata. .

Deserto Mohave

A parte isolada e meio apocalíptica da viagem. Dirigir pelo deserto Movaje dá aquela sensação de isolamento, com pequenas cidades pingadas ao longo do trecho.

Essa região é próxima ao vale da morte, e por pouco não fiquei sem gasolina, pois o lugar é deserto mesmo.

No caminho da estrada velha existem várias construções abandonadas. Alojamentos, escolas e cidades que cresceram em torno da indústria local.

  • Amboy era uma cidade que cresceu com o movimento da antiga Rota 66. Hoje você só vê a escola e as casas abandonadas. A cidade desapareceu depois que a Interstate 40 foi inaugurada.
  • O Roy´s Café era um motel, café e posto de gasolina. O único nessa parte da Rota 66. Já está fechado há muito tempo mas é um maravilhoso exemplo de arquitetura googie. Um legado dos dias de glória da rodovia.
  • Outra parada interessante é uma cidade chamada Needles. Já foi movimentada, mas hoje você consegue até ver um coiote perseguindo um papa-léguas.

Oatman

Parei para almoçar na cidade fantasma, Oatman. Não estava planejando parar por lá mas encostei o carro quando vi um policial andando de sobretudo com um revólver em cada lado da cintura.

Esta pequena cidade se desenvolveu em torno das minas de ouro e que após o esgotamento das minas também teve que sobreviver a construção da Highway 40, que desviou completamente o tráfego de veículos que passavam pela Rota 66. A cidade decaiu.

O Que Fazer

  • Atualmente ela sobrevive com a fama de cidade fantasma. Se você acha que o velho oeste americano se encontra apenas nos clássicos do cinema você está bem enganado!
  • Visite o Oatman Hotel. É um hotel histórico construido em 1902. Dizem que um dos quartos é assombrado pelos fantasmas de  Clark Gable e Carole Lombard

Onde Comer

 

Comi no Dollar Bill Bar. As paredes e o teto do restaurante estão cobertas por notas de um dólar assinadas por turistas. As mais antigas já estão amarelas. Quanta grana será que tem lá? A comida não é nada de especial mas a atração é bizarra.

Onde Comprar

Oatman é um ótimo lugar para comprar camisetas e souvenirs da Rota 66. São baratas, de boa qualidade e com grande variedade de estampas e lembrancinhas.

Kingman

É aqui que começa oficialmente a Rota 66. Kingman localiza-se no meio do deserto do Arizona. O clima começa a mudar. À noite costuma fazer frio e no inverno costuma nevar.

O Que Fazer

  • Tem um diner bacana aqui, dos anos 50. É o Mr D’z Route 66. Turquesa, rosa, chão xadrez, jukebox e hamburguer excelente!

  • A Hackberry General Store é um museu da antiga Rota 66. É tipo o Jeca Tatu aqui em MG. Nenhuma gasolina é vendida, mas as bombas do lado de fora dão um ar retrô ao local. Do lado de fora tem muitos carros no autêntico estilo vintage. Pelo quintal vários artigos e sinais de trânsito que remetem a era de ouro da estrada.

  • Em Kingman você tem a opção de continuar na auto-estrada ou então pegar a Rota 66. Prestei atenção na sinalização e fui pela estrada antiga. A estrada é incrivelmente reta, com uma faixa, e surpreendentemente bem conservada. A paisagem já tem cara de Arizona, incrível, com muitos pontos interessantes para parar.

Sedona

Fui chegando em Sedona acompanhado por linhas brancas e árvores indomáveis. Temperatura bem mais fria, com neve. Esse é um lugar sagrado há milhares de anos.

A terra das pedras vermelhas é um lugar especial onde o planeta terra libera um turbilhão de energia. As formações rochosas de Sedona contém ferro, granito, e vestígios de cobre, tira, e ouro. Não é um exagero pensar nelas como condutores naturais que podem amplificar e depois descarregar eletricidade, criando um vortex eletromagnético que afeta a região e as pessoas. Nos pontos mais fortes, até as árvores respondem aos redemoinhos de energia, e crescem torcidas, com tronco e ramos em espiral. Seja bem vindo a outra dimensão!

Onde Ficar

Sugar Loaf Lodge. Reservei esse hotel pensando na simplicidade e na localização conveniente, próximo a algumas trilhas que eu queria fazer. Tem muitos restaurantes e um supermercado perto. Fui recebido como se fosse um velho amigo. Fui surpreendido. Com certeza ficaria de novo.

O Que Fazer

Andar, caminhar! Observar as estrelas e relaxar. Eu fiz rotas para ver os seguintes pontos:

  • Cathedral Rock
  • Bell Rock
  • Chapel of the Holy Cross
  • Devil´s Bridge

Quando estava na faculdade eu acampei em Sedona. Vale a pena. Nunca vi um céu tão estrelado.

Também visitei a Oak Creek Brewing Co, é uma famosa cerveja local. Atmosfera alegre dentro da fábrica com taproom e também comi no restaurante que eles tem na Tlaquepaque Arts and Crafts Village. Muito boa!

Acoma Pueblo

Acoma Pueblo significa a cidade no céu. Porque será?

Só é possível visitar esse povoado indígena no alto de um platô com os guias em horários pre determinados.

Painted Desert e Petrified Forest

Nada é mais mole do que a água, e nada a supera para enfraquecer e desgastar o que é duro.

A Petrified Forest tem esse nome por causa dos fósseis de árvores. Há 217 milhões de anos atrás havia uma floresta subtropical na região. A cinza vulcânica interagiu com a madeira e cristalizou os troncos. Milhões de anos depois a erosão trouxe a tona as árvores fossilizadas.

O Painted Desert ganhou este nome graças à coloração de suas rochas e montanhas. Está situado próximo à região de Four Corners (divisa entre os estados de Arizona, New Mexico, Utah e Colorado). Sua maior parte ocupada por reservas indígenas Najavo, Hopi, Apache e outras. A estranha coloração é causada pela presença de ferro e manganês, entre outros minerais. Apesar de ser deserto, a altitude deste lugar é de quase dois mil metros, portanto faz frio viu?

Tem uma loja perto chamada Hubbell Trading Post National Historic Site que está lá desde 1870 quando John Hubbell começou a comprar os tapetes feitos pela tribo Navajo.

Santa Fé

santa fe novo mexico

Santa Fé, a capital mais antiga dos Estados Unidos, foi fundada por colonizadores Espanhóis e mantém sua influencia indígena por conta dos inúmeros povos que até hoje vivem em vilas na região. A cidade, que tem uma arquitetura única, com construções de adobe, é muito envolvida com artes e as ruas são repletas de galerias e lojas de artesanato.

Onde ficar

  • Silver Saddle Motel. Amei este pequeno hotel. Acho que é familiar. A equipe é extremamente simpática e atenciosa. O quarto tem um charme caseiro. A localização é calma e silenciosa.

Onde comer

santa fe the teahouse

  • Joseph’s. É um restaurante mais chique, de um chef conceituado, pelo que eu entendi. Mais caro do que a média mas comida é realmente excelente. Comi um pato com laranja que estava incrível.
  • The Tea House. Lanche leve em um ambiente sereno e convidativo. A especialidade, como o nome diz, é o chá. Eu recomendo qualquer chai com leite de amêndoa, coisa que você dificilmente acha aqui em BH!
  • Pasquals. Típicamente Santa Fé. Decoração colorida, galeria de arte folk no segundo andar, e deliciosa comida do novo méxico. Estava bem cheio e eu tive que esperar um pouco na fila, mas valeu a pena!
  • La Boca. Quem me deu essa dica de almoço foi a gerente da Shiprock Santa Fé. Restaurante especializado em tapas. Muito bom.

Onde Comprar

shiprock santa fe

  • Shiprock Santa Fé – A Shiprock fica na histórica Santa Fe Plaza. Ocupa o último andar do histórico Silver Building, prédio construído no final do século XVII. Os tetos abobadados e as janelas enormes dão boas vindas a uma luz natural suave que ilumina o piso de madeira original da época. Lá você encontra a arte indígena e mobiliário modernista.

santa fe vintage

  • Santa Fé Vintage. Tem gente que não encara comprar o que é velho ou o que já foi usado. Para outras pessoas, essas coisas brilham as turquesas que adornam a prataria Navajo. São os garimpeiros… caçadores que farejam de longe um bom achado!

Boots and Boogie Santa Fe

  • Boots & Boogie. Botas western incríveis. Produtos customizados, feitos no Texas ou Novo México. Muitos couros exóticos e trabalhos de leather carving. Caríssimas, mas bonitas de olhar e o dono é uma figura.
  • Galerias de Arte e Lojinhas. Santa Fé tem MUITAS. A praça principal é cercada de ruas pequenas repletas de lojas para turistas e também algumas galerias com lojinhas de antiguidades muito interessantes. Algumas pessoas ficam vendendo joias na rua, em baixo do Governor’s Building, mas me falaram que não são de boa qualidade.
  • Perto da praça fica a Raylyard area, uma região com muitas novas galerias de arte e também um Farmers Market no Sábado. Essa área é cheia de cafés, lojas de rua e restaurantes.
  • Um pouco mais em cima está a Canyon Road. É a clássica rua artística de Santa Fé, com construções em adobe. É uma rua que você pode andar pra cima e para baixo enquanto explora uma multidão de galerias.

O Que Fazer

  • Santa Fé tem muita informação histórica. O Museum of Contemporary Native Art, o Georgia O’Keefe Museum e New Mexico History Museum são bem interessantes para quem se interessa pela história local.
  • Taos é uma cidade mais ou menos a uma hora de Santa Fé. Lá você pode visitar um “Pueblo”, onde vivem os índios norte americanos. No total, além de Taos, são 19 Pueblos na região.
  • Rio Grande. Quem nunca viu um Western por aqui? Fica perto de Taos. A terra se abre. O mundo é partido ao meio para o rio passar la em baixo. Bela vista difícil de mostrar em fotos!

Você também pode gostar